o tapa

Existe uma classe de amigos que me intrigam bastante: São os que são muito próximos e ligeiramente mimados. Me intrigam pelo simples fato de me deixar em dúvida de como tratá-los. Para entender melhor a situação, recorro à teoria do tapa: Segundo essa teoria, uma pessoa só aprende algumas coisas através de um tapa bem forte dado na cara. Metáforas, please.

Logo, em uma situação limite (onde essa mimação boba fica evidente) eu me pergunto: Já que sou amigo-brother, dou o tapa na cara? Ou relevo, uso de diplomacia, resolvo na conversinha mole e beleza assim?

As consequências (se escolhida a primeira opção), dependendo da pessoa envolvida, podem ser um pouco tensas. Como por exemplo taxar você de nazista, bobo, chato e ridículo que só sabe bater na mesma tecla. Além disso, fica claro que depois dessa classificação a pessoa não vai se quer considerar a sua opinião, descartando-a. Bem, como essa não era a intenção desde o início, tentar usar a diplomacia ao invés do tapa não parece uma opção tão ruim agora, né?

Fica a questã no ar.

Anúncios