Sobre esse bafafá da Arezzo 

Bem este post é fruto de um email ou dois trocados com meu brother Trecker e de algumas reflexões no facebook com meia dúzia de amigos. Não vou julgar aqui o fato de comercializar peles é algo justo ou não do ponto de vista dos diretios dos animais. Também nāo vou tomar partido se isso é correto do ponto de vista do cidadão que consome esse tipo que produto, isso cabe a cada um saber. O máximo que consego fazer por hora são apenas algumas opiniōes soltas:

Produção de carne e comercialização de peles andam lado a lado. Calma, explico: Me parece que esses caminhos são apenas extrapolaçōes daquela caça rudimentar. Cultivar animais para pegar um pedaço já acontece a um tempão, seja pra vender a carne ou a pele que muitas vezes nós também chamamos de … COURO. Poisé usar couro bovino (e até de outros animais) já é consumido a um tempo também. E isso é bem mais aceito do que peles, vai entender. Acho razoável colocar isso tudo no mesmo balaio, acho estranho reclamar de um e não de outro. Do ponto de vista legal, Arezzo alega estar tudo ok. Suas peles entram legalmente no país – mesmo por que isso tem uma fiscalização bem forte. AGORA, se a fornecedora faz merda com os bicnhinhos daí já é outra história.

Pronto, joguem suas pedras.